Skip to content
JA slide show
 
Você está em: Home Notícias Caça ao ouro dos nibelungos
Caça ao ouro dos nibelungos

Hagen von Tronje, vassalo do rei Gunther, dos burgúndios, leva 144 carros cheios de ouro, de Worms, sede do reino, até um lugar desconhecido no rio Reno. Trata-se do tesouro do lendário rei Nibelungo, de que Hagen se apoderara após assassinar o matador de dragões e herói Siegfried. Então – segundo narra a Canção dos Nibelungos, o primeiro épico heroico germânico – Hagen submerge o ouro no Reno.

Uma das poucas aventuras que restam

No início do século XIII, um autor desconhecido registrou por escrito a narrativa que inclui um dragão, belas mulheres, o valente guerreiro Siegfried e uma eterna luta em torno de amor, fidelidade e traição. No entanto, a Canção é mais do que uma saga com elementos fantásticos, como sangue de dragão ou um elmo mágico. Ela tem um núcleo histórico, a decadência da raça dos burgúndios, no início do século V. Figuras como rei Gunther realmente existiram.

Então, o "ouro dos nibelungos" poderia ter existido? Até hoje, caçadores de tesouros sonham em encontrar seu esconderijo. O arquiteto Hans Jörg Jacobi, de Mainz, é um dos que são obcecados pelo tesouro. Porém o que o impele não é a perspectiva de riquezas, mas antes a emoção de resolver uma charada literária. Juntamente com seu falecido pai, ele procurou o esconderijo por cerca de 40 anos.

"É uma das poucas aventuras ainda possíveis", comenta Jacobi. Para ele, não se trata de um conto fantástico, embora admita: "É preciso acreditar na coisa". A Canção dos Nibelungos dedica apenas uma frase sumária ao local de onde Hagen supostamente lançou o ouro na correnteza: "Perto do Loche ele o afundou no Reno".

Busca obstinada

A palavra "Loche" já fascina Jacobi há quatro décadas, e ele acredita ter encontrado o local em antigos mapas cadastrais. "É um nome e se refere a Lochheim, um lugar que não existe mais hoje". Ele fica lá onde, até hoje, o Reno tem um de seus pontos mais profundos, o assim chamado "Schwarzer Ort" (Lugar Negro), nas proximidades do lugarejo de Gernsheim.

Lá o rio faz uma curva fechada. Além disso, o ponto está a apenas vinte quilômetros do antigo lar dos burgúndios, a cidade de Worms. Então, o ouro dos nibelungos estaria a vinte e cinco metros de profundidade? "Hoje, esse local fica em terra, ao lado do Reno", explica o arquiteto. Afinal, o rio se transformou ao longo dos séculos.

Com o auxílio de uma firma de perfurações, Hans Jörg Jacobi e seu pai chegaram a realizar uma escavação arqueológica nas cercanias de Gernsheim, na década de 70. No entanto, eles não encontraram o tesouro: a cerca de dez metros de profundidade, a broca esbarrou em jazidas de mármore. Mergulhadores tampouco encontraram quaisquer vestígios sob a água.

Mas para Jacobi nada disso é motivo para desistir. Até hoje ele guarda em casa grossos fichários com os resultados das medições. "Quero encontrar o tesouro e provar que a Canção dos Nibelungos está correta".

Símbolo ou história

A professora de Germanística Anna Mühlherr, da Universidade de Tübingen, igualmente não acredita que o ouro do Reno seja mera lenda. No entanto, "eu não utilizaria 'realidade histórica' como conceito oposto", argumenta. Para ela, o tesouro é um elemento narrativo, com o qual se ilustra a ascensão e queda de dinastias.

Esse elemento também aparece em outras sagas medievais. "O público deve compreender que não convém mexer com tesouros". No sentido metafórico, portanto, o poder do rei não devia ser colocado em questão. Ao fim da Canção dos Nibelungos não sobra ninguém vivo que saiba do paradeiro do tesouro. Mas isso não significa o fim da narrativa.

O ouro do Reno passou a ser um mito, e isso tem muito a ver com a história alemã. Embora gozasse grande popularidade na Idade Média, a Canção temporariamente caiu em total esquecimento. Em 1755 encontrou-se um velho manuscrito, e a partir daí artistas e literatos elevaram o poema à categoria de épico nacional alemão. Afinal, nada mais adequado para tal do que uma história de lealdade absoluta perante o próprio povo e o rei.

Em uma época em que ainda não existia um Estado alemão, o tesouro que repousava no fundo do "Pai Reno" tornou-se símbolo da unidade nacional. Pintores românticos, a exemplo de Moritz von Schwind, combinaram motivos de tesouro, como uma coroa dourada, com a bandeira preta-vermelha-dourada. O que, em meados do século XIX era um sinal do anseio de muitos revolucionários por um Estado alemão, são hoje as cores da bandeira nacional.

Da sátira à ópera

Também na literatura o tesouro dos nibelungos ganhou contornos nacionalistas. Na primeira metade do século XIX, o poeta Ernst Moritz Arndt o descreveu como "fulgor do Reino Alemão". Porém também havia vozes contrárias, como o autor Heinrich Heine que, no poema Alemanha no verão de 1840, satirizava o mito nacional, inclusive a "coroa dourada".

O célebre compositor e poeta Richard Wagner dedicou até mesmo todo um ciclo operística a esse tesouro, a tetralogia O anel do Nibelungo, cujo "prólogo", O ouro do Reno, estreado em 1876, abre com as três Filhas do Reno vigiando a preciosidade no fundo do rio.

Ao desenvolver seu libreto, no entanto, Wagner orientou-se antes por sagas nórdicas do que pela Canção dos Nibelungos germânica, e criou novas personagens.

"Mais interessante que o pouso na Lua"

Hoje em dia a exploração artística do tesouro dos nibelungos perdeu a carga política, mas sua fascinação se mantém. Produções de TV, romances fantásticos, obras de arte ou o famoso Festival dos Nibelungos de Worms ocupam-se intensamente da temática.

As histórias em torno do tesouro chegaram até mesmo à República de Nauru, no Oceano Pacífico, que já foi colônia da Alemanha e que em 2003 cunhou uma moeda de ouro de dez dólares com os dizeres "Nibelungen Treasure".

E a caça ao ouro prossegue. Ao lado de Lochheim no Reno, cogitam-se outros possíveis locais para seu esconderijo, como um campo cultivado em Rheinbach, no estado da Renânia do Norte-Vestfália. Também lá, nada foi encontrado até hoje. Mas isso não faz mal, comenta Anna Mühlherr.

"Também o histórico-imaginário é parte de uma cultura. No mundo da imaginação, o tesouro é algo bem real". E, quem sabe, um dia ainda serão resgatados do Reno carros repletos de ouro. Para Hans Jörg Jacobi, tal evento seria "quase mais interessante do que o pouso na Lua".

Fonte.

 

Visitantes

Hoje2
Ontem2
Nesta semana5
Neste mês31
Total27618

Currently are 8 guests online


VCNT - Visitorcounter